Medicamentos podem interferir no exame laboratorial?

Home/Sem categoria/Medicamentos podem interferir no exame laboratorial?

Medicamentos podem interferir no exame laboratorial?

Muitas pessoas tem dúvidas se o medicamento que estão tomando podem interferir no resultado do seu exame laboratorial e a resposta é: SIM! Muitos medicamentos podem interferir no , por isso é muito importante você sinalizar para o atendente ou profissional que realiza sua coleta sobre os medicamentos que está usando.

Você deve falar sobre medicamentos eventuais (antibióticos, por exemplo) e medicamentos de uso contínuo (aqueles que você toma todos os dias), pois uma interferência medicamentosa pode mascarar resultados e levar o médico a uma interpretação e tratamento errôneos.

 

Interação medicamentosa

Avisar o médico, farmacêutico ou atendentes sobre o medicamento que está tomando não é uma prática comum das pessoas, mas essa falta de cuidado pode levar a uma interação medicamentosa.

Quando dois medicamentos são administrados, concomitantemente, a um paciente, eles podem agir de forma independente ou interagirem entre si, com aumento ou diminuição de efeito terapêutico ou tóxico de um ou de outro. O desfecho de uma interação medicamentosa pode ser perigoso quando promove aumento da toxicidade de um fármaco.

 

Medicamentos que interferem nos exames laboratoriais

 

São diversos os medicamentos que causam interferência no , por isso a importância de você comunicar aos atendentes, mas seguem alguns exemplos:

Ácido Acetilsalicílico (presente em muitos analgésicos, antitérmicos e antiácidos): interferem nos exames de coagulação do sangue. Em altas doses, podem diminuir os valores totais de tiroxina ou T4 – um dos hormônios da tiróide. Também interfere no Hemograma.

Dipirona: pode fazer com que o resultado da creatinina, dependendo do método utilizado, resulte um valor mais baixo do que o real.

Vitamina C: eleva a concentração de creatinina, glicemia e colesterol.

Vitamina E: interfere nos testes de agregação plaquetária.

Anticoncepcionais orais:  provocam a elevação da amilase, transaminases, fosfatase alcalina, colesterol e triglicérides e também podem provocar a diminuição da albumina.